Monthly Archives: Fevereiro 2011

Quem Somos

Category : Destaque

CESVIVER é um projeto da Casa do Educador do Concelho do Seixal – IPSS, sem fins lucrativos, criado por um grupo de elementos dos corpos sociais, sócios e amigos, no mandato 2006/2008 sob a presidência do professor António Henriques, tendo como diretora executiva a professora Antonieta Henriques.

A sua sede é na Casa do Educador do Concelho do Seixal, Rua Conselheiro Custódio Borja Nº 1-3, Amora.

A sua ação estende-se a todo o concelho do Seixal, abrangendo sócios e não sócios.

Rege-se pelos Estatutos e Regulamento Geral Interno da CES e pelo Regulamento do Cesviver.

Tem logótipo próprio com as cores da CES e mais uma cor escolhida pela direção.

 FINALIDADE

 Objetivo geral - Atender as necessidades mais prementes dos idosos e suas famílias na solidão e/ou dependência.

Objetivo específico - Apoiar pessoas em situação de solidão e/ou dependência, preferencialmente com mais de 65 anos, de modo a melhorar a sua qualidade de vida. Para tal:

  1. Oferecer um serviço de companhia, numa primeira fase; mais tarde avançar para serviços de refeições, higiene pessoal, tratamento de roupas e higiene da casa;
  2. Promover as relações de cooperação entre familiares, amigos, vizinhos e beneficiário, através de pessoas generosas que gostam de viver em espírito de solidariedade;
  3. Promover atividades de cultura geral, informação, formação convívio e lazer;
  4. Promover junto das entidades responsáveis a articulação de serviços de apoio.

         QUEM PODE PARTICIPAR

 Aderentes ao CESVIVER como pessoa singular ou pessoas coletivas identificadas com o projeto.

Categorias de aderentes ao Projeto: Efetivos e Beneméritos:

Efetivos são aqueles que contribuam regularmente com donativo;

Beneméritos são pessoas que contribuam voluntariamente com um donativo de valor significativo ou que se destaquem por ações relevantes, sujeitos a aprovação pela Direção da CES, mediante proposta do Diretor Executiva da CESVIVER;

  1. Pessoas com alguma disponibilidade que prestem um serviço de voluntariado.

 O QUE PRETENDEMOS FAZER

Para concretizar os seus objetivos é necessário traçar metas, organizar atividades e utilizar estratégias com recurso a:

  1. Voluntariado que apoie os idosos em solidão e dependência, apoiados por técnicos habilitados para os diferentes serviços;
  2. Participação dos aderentes em ações de voluntariado que visem melhorar a qualidade de vida e bem-estar dos beneficiários;
  3. Dinamizar ações de formação para voluntários e colaboradores, de modo a melhorar os serviços prestados;
  4. Aquisição de equipamentos e serviços adequados para o melhor desempenho dos seus colaboradores, por proposta à CES;
  5. Realização de protocolos com entidades e empresas de modo a satisfazer necessidades apresentando sugestões à CES;
  6. Ações de sensibilização que contribuam para o bem-estar da comunidade na área da saúde, alimentação, ambiente, etc.;
  7. Desenvolvimento de projetos que visem a integração comunitária e social dos mais idosos;

 ORGANIZAÇÃO

 Para a execução dos fins do Projeto Cesviver foi constituída uma Comissão Executiva, nomeada pela Direção da CES e ratificada pela Assembleia Geral da CES.

A Comissão Executiva deverá ser composta hierarquicamente pela ordem seguinte: um presidente, um diretor executivo, um assistente jurídico, um assistente social, um psicólogo, um secretário e quatro vogais.

Sendo a Direção Cesviver uma extensão da Direção da CES, o mandato da Comissão Executiva terá a duração correspondente ao mandato da Direção da CES.

Os membros da Comissão Executiva CESVIVER tomam posse dos cargos em reunião de Direção da CES convocada para o efeito e na presença do presidente da Assembleia Geral ou de quem o substituir.

Órgãos Sociais:

2005/2007 – Dia 22 de Abril de 2007 pedido de colaboradores/voluntários para o CES-VIVER.

2005/2007 – No dia 28 de outubro de 2007, no V Aniversário da CES, foi anunciado publicamente, pelas professoras Antonieta Henriques e Filipa Landeiro, um novo projeto da Casa do Educador CES-VIVER, no âmbito da solidariedade/fraternidade.

2008/2010 - Tomada de posse de 19 de junho de 2008, dos órgãos sociais da CES-VIVER: Presidente Professor António Henriques e a Professora Antonieta Henriques a Diretora Executiva.

2008/2010 – Apresentação e aprovação do regulamento interno do projeto CES-VIVER e da equipa que o dinamiza.

2009/2011 – Renovação da tomada de posse do Presidente da CES e da Diretora executiva da CES-VIVER

2012/2014 - Tomada de posse da Profª Maria do Céu Silva, a 5 de março de 2012 para presidente da CES e a professora Mª Judite Bentes para diretora executiva.

2012/2014 - Tomada de posse do professor Tomás Aquino Bento a …. de dezembro de 2012 e a professora Mª Judite Bentes para diretora executiva.

2015/2018 - Tomada de posse do professor Tomás Aquino Bento a 15 de janeiro de 2015 e da professora Rosa Maria Duarte para diretora executiva.

2019/2022 - Tomada de posse do professor Jaime Ribeiro a … de janeiro de 2019 e da professora Rosa Maria Duarte para diretora executiva.

FINANCIAMENTO

  1. CESVIVER depende financeiramente da CES, cuja direção assume a responsabilidade e controle de todas as suas receitas e despesas.
  2. São receitas imputáveis ao Projeto Cesviver: As comparticipações dos aderentes e beneficiários; As doações, legados e heranças dirigidas a este projeto; Os subsídios do Estado ou de organismos oficiais para este projeto; Os donativos e produtos de festas dirigidos ao projeto.
  3. Os recibos de todas as quantias, referidas no número anterior, serão passados pela CES.
  4. As despesas são as que provêm do desempenho das suas funções em conformidade ao plano anual de atividades e de Contrato-Programa.

Projeto Cesviver

Category : Destaque

  CESViver - mais um projecto da CES

1. A CESVIVER é um projecto da Casa do Educador do Concelho do Seixal criado para atender as necessidades mais prementes dos idosos e suas famílias na solidão e/ou dependência. A CESVIVER pretende oferecer um serviço de companhia, numa primeira fase. A sua acção estender-se-á a todo concelho do Seixal, abrangendo sócios e não - sócios.
2. São fins da CESVIVER:
a. Apoiar pessoas em situação de solidão e/ou dependência, preferencialmente com mais de 65 anos, de modo a melhorar a sua qualidade de vida;
b. Promover as relações de cooperação entre familiares, amigos, vizinhos e beneficiário, através de voluntários que gostam de viver em espírito de solidariedade;
c. Promover junto das entidades responsáveis a necessidade de serem criados serviços de apoio domiciliário integrado para ajudar os mais idosos a melhorar a sua qualidade de vida.
3. Objectivos - Para concretizar os seus objectivos, a CESVIVER compromete-se a:
a. Criar um corpo de voluntários que apoiem os idosos em solidão e dependência, apoiados por técnicos habilitados para os diferentes serviços;
b. Adquirir equipamentos e serviços adequados para o melhor desempenho dos seus colaboradores;
c. Dinamizar acções de formação para voluntários e colaboradores, de modo a melhorar os serviços prestados;
d. Diligenciar protocolos com entidades e empresas de modo a satisfazer necessidades;
e. Desenvolver projectos que visem a integração comunitária e social dos mais velhos;
f. Realizar programas de formação recorrendo aos seus associados e aderentes;

g. Candidatar-se ao seu reconhecimento como entidade formadora;
h. Prestar serviços de formação a empresas e associações para apoio financeiro.

A CESVIVER e o Voluntariado

Um dos muito bons e meritórios serviços, prestados à população pela Casa do Educador do Seixal, é desenvolvido pela Cesviver, que através de algumas boas vontades que abraçaram o voluntariado, tornam possível a assistência a pessoas necessitadas de uma palavra amiga.
São assistidas ao domicílio pelos mais variados motivos e ajudadas, através de convívios semanais e outras actividades, a minorar o tempo de solidão, a que muitas vezes são votadas pelas mais variadas circunstâncias.
Na continuidade desse projecto, pede-se a todas as pessoas de espírito solidário e que tenham alguma disponibilidade, que, com a sua preciosa colaboração, ajudem a suportar melhor aquela solidão e tudo o que de menos a vida lhes trouxe.
Quem sabe se o voluntário de hoje não poderá ser o beneficiário de amanhã?
Nestes tempos tão conturbados e difíceis que atravessamos, mais premente se torna esse apoio e de mais solidariedade também. No intuito de melhorar cada vez mais os serviços prestados, tem vindo a direcção da Cesviver a promover acções de formação nas áreas ligadas às actividades desenvolvidas pelo voluntariado.
Assim, estão agendadas acções de formação, a começar em 15 de Novembro na sede da CES, das 18.00h às 20.00h, que abrangerão temas como: «Ser voluntário hoje», «O idoso e a actividade física», «As doenças na vida do idoso», «Alimentação e saúde», «Relações interpessoais», etc.
Serão formadoras personalidades especialistas nas diversas áreas abrangidas.
Quem estiver interessado contacte a Direcção da Cesviver na Casa do Educador, que para o efeito disponibilizará atendimento público às terças, quartas e sextas-feiras.

Judite Bentes

2011 - ANO EUROPEU DO VOLUNTARIADO

Fiel aos seus princípios de solidariedade, sociabilização, entreajuda, cultura, entre outros, a Casa do Educador do Seixal não pára de crescer, trilhando o seu caminho de bem servir a causa dos seus associados e colaboradores.
É uma jovem associação ainda, mas já com um percurso invejável, do qual aqueles que a acompanham desde o seu nascimento até aos dias de hoje muito se orgulham.
Exemplo disso, a descendência que em tão pouco tempo já nos legou:
A Unisseixal, a nossa Universidade Sénior, virada para aqueles que desejam ampliar os seus conhecimentos nas mais diversas áreas, ou partilhá-los, é a filha mais velha.
A CESViver, a filha mais nova, um projecto virado, para aqueles que, o que mais necessitam é de companhia, atenção, de quem os ouça e lhes proporcione outro tipo de conhecimento, que teriam dificuldade em obter na Universidade.
É com muita alegria, orgulho e carinho que assistimos ao crescimento da Unisseixal e constatamos a abnegação, o espírito solidário, dos nossos professores, alguns deles ainda no activo, que se entregam com tanto entusiasmo e generosidade a esta causa do Voluntariado.
E os alunos, peças fundamentais, neste processo de reciprocidade (os professores também aprendem), não são menos importantes.
Pelo contrário, são eles, com os seus mais secretos anseios, com a sua sede de conhecimento e cultura, e por vezes, apenas uma fuga à solidão dos seus dias mais cinzentos, que mais força dão e levam os professores a ir sempre mais além.
A CESVIVER, despretensiosamente apostada em bem servir e apoiar, os mais idosos e mais carentes da população do concelho, fazendo-lhes companhia, levando-lhes e lendo-lhes um livro, trazendo-os à 3ª feiras a tomar um chá, dando-lhes dois dedos de conversa, ouvindo-os, já tem também um curriculum digno de registo.
As aulas de Alfabetização, que funcionam, desde o seu início, têm sido uma mais-valia e uma janela que se abriu, para algumas pessoas que nem as letras conheciam e neste momento já lêem e já escrevem.
No ano lectivo transacto, começaram as aulas de iniciação à Informática, que no presente ano, têm continuidade.
É gratificante ver o entusiasmo, com que pessoas pouco escolarizadas, intelectualmente pouco desenvolvidas, se entregaram aos prodígios das novas tecnologias e já dão pequenos (grandes) passos, neste novo mundo, que se abriu perante os seus olhos e as suas mentes.
E aqueles que têm a graça de assistir a esta transformação, na vida dos beneficiários, não conseguem ficar indiferentes, a tamanho «milagre» que se opera, semana após semana, em cada um deles.
Ser voluntário, é isto mesmo!
É aquilo que se pratica na Casa do Educador! Na Unisseixal, na CESViver!
E é bonito, é enriquecedor, faz bem à alma, aquece nos dias frios, refresca nos dias de calor.
Tudo o que se dá de coração tem retorno e pela minha parte, sinto que recebo mais do que dou!
Neste Ano Europeu do Voluntariado, adere a esta causa, aqui, em qualquer lado onde sintas que podes ser útil.

“Ninguém é tão pobre que não tenha nada para dar”; “Ninguém é tão rico, que não tenha nada para receber”

Maria Inácia Martins 

Fevereiro/2011