Category Archives: Visitas

Visita a Vila Franca de Xira

Category : Visitas

Conhecer Vila Franca Xira

Os responsáveis pelo Projeto Cesviver facilitaram aos seus aderentes, sócios da CES e amigos uma ida a Vila Franca de Xira no âmbito do tema “Um Livro, Uma Companhia”. Esta visita de estudo decorreu no dia 12 de Novembro de 2019 e foi proposta pela Prof.ª Maria de Lourdes Mano, que este ano letivo é a orientadora/dinamizadora das sessões daquele projeto. Durante a viagem foi dando informações - localização, história, atividades culturais, recreativas, económicas, tradições bem como outros assuntos de interesse.

Chegados à cidade de Vila Franca de Xira realizámos uma caminhada pelas ruas a fim de se observar alguns edifícios que se destacavam à nossa vista. Dirigimo-nos para a estação ferroviária, um edifício em estilo tradicional português, onde observámos painéis de azulejos, que foram fornecidos pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira e colocados por Jorge Colaço em 1930. Uns retratam parte da nossa História, outros a vida quotidiana do povo daquela região; continuando o nosso percurso passámos pelo monumento dedicado ao varino; no largo da Câmara Municipal deparámos com o Pelourinho. Chegámos ao nosso destino – Museu do Neo-Realismo – edifício que se destacava pela sua modernidade.

Esperava-nos a Dra. Lídia Agostinho e outro colega dos serviços educativos da Câmara Municipal que nos iriam guiar durante a nossa permanência naquele espaço.

Visionámos um filme sobre o Museu. Tivemos conhecimento da sua origem, que fora criado em 1990, a partir da atividade de um Centro de Documentação sobre o movimento neorrealista português; espaços onde funcionou até à atualidade. O novo edifício do Museu do Neo-Realismo foi inaugurado em 20 de outubro de 2007, projeto do arquiteto Alcino Soutinho, composto por amplos espaços para exposições temporárias de longa e curta duração, uma biblioteca temática e sala de audiovisuais, um auditório, uma cafetaria e uma livraria.

Foi a vez de o nosso guia nos conduzir até à Exposição “E não sei se o mundo nasceu”, integrada nas comemorações do centenário do nascimento de Fernando Namora da autoria do curador António Pedro Pita. Era aqui que se centrava o nosso interesse, uma vez que a Profª. Maria de Lourdes Mano havia trabalhado o Neorrealismo em Portugal, na literatura e nas artes, sendo aquele o autor escolhido. Ao meio da escadaria retirámos uma mensagem do autor. Ouvimos falar sobre a biografia e bibliografia deste Homem como médico, pintor e escritor. Percorremos as salas para tomar um conhecimento mais “real” do que nos foi transmitido sobre o escritor, suas pinturas bem como pintores que com ele trabalharam.

Regressámos ao primeiro piso para desfrutar de uma surpresa. Tinha sido inaugurada no passado dia 09 deste mês a Exposição “Raízes de uma Coleção: Alves Redol e (seus) ilustradores” e será este o próximo autor em estudo a partir do dia 07 de janeiro 2020. Esta exposição assinala os 80 anos sobre a publicação do romance Gaibéus e também os 50 anos já passados sobre a morte de Alves Redol. Tem por base a obra literária daquele que é um dos maiores e mais emblemáticos autores do Movimento Neorrealista Português. Relativamente à ilustração de muitos dos livros de Alves Redol, vimos obras da autoria de artistas do movimento neorrealista, tais como Antero Ferreira (ilustrador de Gaibéus), Júlio Pomar (Horizonte Cerrado), Lima de Freitas (Olhos d’ Água), Rogério Ribeiro (A Vida mágica da sementinha: uma breve história do trigo), ou Manuel Ribeiro de Pavia. Também estavam expostos retratos do próprio autor em pintura, desenho, caricatura e escultura. Foi do agrado de muitos de nós, encontrarmos livros infantis pois não era habitual nessa época.

À saída, no átrio de entrada, foi-nos explicada a razão da existência de uma estrutura alusiva à vida dos antigos avieiros.

Os nossos sinceros agradecimentos ao modo como fomos recebidos. Muitos Parabéns aos guias que nos acompanharam e à Câmara Municipal de Vila Franca de Xira.sa Maria Duarte

Ida ao Museu do Neo-Realismo

Visita guiada à Igreja do Mártir S. Sebastião

Depois da visita ao Museu do Neo-Realismo realizada durante a manhã fizemos uma visita guiada à Igreja do Mártir Santo São Sebastião, hoje parte do Núcleo da Arte Sacra do Museu Municipal.

Este pólo do Museu é um dos sete existentes. A Igreja foi mandada construir por El-rei D. Sebastião que a dedicou a São Sebastião por acreditar que esta homenagem protegeria a população da peste que à época grassava.

Como Igreja teve culto até ao Séc. XX mas foi-se degradando e o Município adquiriu-a. Foi pontualmente usada para casamentos ou funerais.

Na sua função museológica começámos por analisar mapas de zonas onde escavações recentes, no Vale de Santa Sofia, revelaram uma aldeia com cerca de 3000 anos com a surpresa de encontrar vestígios de Fenícios que deixaram ânforas com asas duplas, o que as permite distinguir das romanas.

Muito povos passaram por aqui pois, tal como no caso do Seixal, a proximidade da água levava os povos a fixarem-se, quer pela facilidade de comunicações quer por ser uma via que permite estabelecer comércio.

Descobriu-se também entre Lisboa e Santarém uma verdadeira Atlântida, cidade desaparecida, da qual se sabia a existência, sem confirmação - seria Ierábrica. Muito trabalho há a efetuar pois o Município está ainda a negociar com os proprietários das terras a aquisição das mesmas.

Foram construídos vários castelos durante domínio Muçulmano dos quais hoje só há vestígios do castelo de Alverca. Sabendo-se que houve o castelo e a mesquita no Monte do Senhor da Boa Morte mas não chegou aos nossos dias qualquer testemunho das suas existências.

Sobre a origem de Vila Franca de Xira ficámos a saber que, originariamente terá sido um local chamado Vila Franca, cuja origem do nome se supõe derivar de zona franca ou por ter sido dada a zona a franceses ou francos, e Xira outra localidade que só com o foral de D. Sancho I de 1212 se juntam e passa a denominar-se por Vila Franca de Xira.

Pertence também a esta jurisdição a localidade de Povos onde existiram estaleiros navais nos quais se fizeram caravelas para as descobertas.

Em Vila Franca de Xira no início do Séc. XX existiam mais de 100 palácios, os proprietários tinham-nos para festas e recolha de produtos agrícolas para suas casas, hoje não há mais de 4 ou 5 quintas em boas condições.

Associado a Vila Franca de Xira está o episódio histórico ocorrido entre D. João VI e o seu filho D. Miguel defensor do Absolutismo. D. Miguel sai de Lisboa em direção a Santarém para se encontrar com os seus apoiantes que vêm do Norte. Quando chega a Vila Franca de Xira é de tal forma bem-recebido que envia carta ao pai defendendo a sua posição Absolutista. O pai vem ter com o filho e percebe que não terá força para se lhe opor, restaurando, portanto, o Absolutismo. Aquando desta reunião o local de instalação do monarca e seu filho foi um palácio que veio a ser vandalizado e do qual apenas restou: uma pedra de Armas que se encontra na entrada da Igreja Museu, uma escultura e uma pintura.

A visita foi muito interessante, o guia foi muito acessível, simpático e conhecedor. Valeu a pena! Os nossos agradecimentos à CESVIVER e à sua Direção.

Suzete Rego


Museu de Vila Franca de Xira

Category : Visitas

A Cesviver irá realizar no dia 12 de Novembro de 2019, uma visita de estudo ao Museu do Neo-Realismo, em Vila Franca de Xira.

O Museu do Neo-Realismo nas aturais instalações foi inaugurado no dia 20 de outubro de 2007. De autoria do Arquitecto Alcino Soutinho, o novo edifício vem concretizar uma das grandes prioridades da política cultural do Município de Vila Franca de Xira, criando as condições para a implementação de um novo projeto museológico mais ambicioso e de âmbito nacional.

A iniciativa de criação de um Museu dedicado ao neorrealismo nasceu em Vila Franca de Xira na década de oitenta do século XX, da vontade de um grupo de intelectuais ligados ao movimento neorrealista, concretizado através da criação da Comissão Instaladora do Museu do Neo-Realismo e da Associação Promotora do Museu do Neo-Realismo (APMNR).

Em 1993 foi dado mais um passo com a abertura ao público do Centro de Documentação do Museu. O projeto do Museu foi evoluindo em torno da área arquivística e bibliográfica, porém, cedo enriqueceu e diversificou o seu património, desenvolvendo um vasto conjunto de coleções museológicas, com destaque para espólios literários e editoriais, arquivos documentais (impressos e audiovisuais), acervos iconográficos, obras de arte, bibliotecas particulares e uma biblioteca especializada na temática neorrealista.

LER MAIS


Visita aos Cafés Delta

Category : Visitas

Almoço gostoso no hotel Sta Beatriz. E regresso ao Empreendimento Nabeiro para visitarmos os cafés Delta na parte da tarde.
No espaço dos cafés, tudo está organizado como uma grande montra para o visitante ficar a saber o essencial sobre o café, sua origem, exploração no campo (sempre em territórios abaixo da linha do Equador), comércio mundial, diferenças entre o robusta (intenso e forte) e o arábica (mais ácido e aromático). Existe ainda o moca, que é uma degenerescência genética na floração em que o grão vem sozinho e mais pequeno em vez de emparelhar com outro grão.
Naquele amplo espaço, até vemos um grande compartimento em que se criou um clima adequado à criação e desenvolvimento do café, com temperatura e humidade próprias. Em Angola, eu vi plantações de café por baixo de grandes árvores que lhes davam sombra e humidade. A explicação está dada agora!
Vimos borboletas e colibris, agentes importantes na fecundação das flores do café, que duram poucos dias. Olhámos para os sacos de muitos quilos, de serapilheira, que ainda hoje se usam no transporte. Ficámos a saber que o café deve ter vindo da Etiópia para a Arábia e o seu nome árabe originário significa “vinho”.
É no séc. XVIII que em Portugal se dissemina o hábito de beber café nos salões, de mistura com a cultura, as artes e o convívio social. Também foi no séc. XVIII que se estendeu a sua cultura ao Brasil, sendo hoje o maior produtor mundial, como se vê num foto.
Na visita, pudemos ainda ver grande exposição de artefactos (moinhos, máquinas…) ligados ao café, que também são importantes na qualidade do produto final. E sentimos os cheiros e os gostos do café, entrando numa máquina simuladora da torra, que vai originar mais ou menos cafeína.

Sabem o que é um barista? Pois nós também não sabíamos, mas foram dois simpáticos baristas que nos prepararam os vários tipos de café que experimentámos; curto, cheio (com mais cafeína), cappuccino, mokkaccino, grão maior, lemon aroma, etc, etc…. Há também outras bebidas frias com café que os baristas (artistas do bar) prepararam…
Muito mais se podia dizer, mas o melhor é fazer a visita a este grande espaço museológico onde até de contrabandistas se fala. A nossa visita coincidiu com o 88.º aniversário do Comendador Rui Nabeiro, alma, coração e corpo deste grande projeto, a quem saudamos e desejamos mais saúde e ainda muitos anos de vida.

Valeu mesmo a pena. Tudo bem organizado, e todos a colaborar para a harmonia do encontro.
E viva a Cesviver, que ao longo do ano reúne as pessoas e prepara estas viagens.
Para quem usa a Internet, pode satisfazer a curiosidade com o link: Delta Cafés
AH


Visita a Campo Maior

Category : Visitas

Foi ontem, 28 de março, que, na programação da Cesviver, nos dirigimos a Campo Maior para uma visita à Adega Mayor e aos Cafés Delta, empreendimentos do conhecido empresário Rui Nabeiro, que há muito dá emprego a muita gente da zona.
Autocarro lotado, tempo de primavera, campos verdes do Alentejo a encher os olhos, olaias floridas a bater palmas avermelhadas de Elvas a Campo Maior, gente bem-disposta e amiga, que mais queríamos para termos um dia de sucesso? Ainda por cima, a viagem da manhã foi acompanhada pela Srª. Reitora da Unisseixal, prof.ª Mariana Mareco, que nos deu uma rica lição sobre as características ambientais, geológicas e históricas das paisagens que se observavam ao longo da viagem.
De manhã, visitámos a adega, uma obra de arte de linhas retas e estrutura simples em cima de um monte, de onde se espraiam os 20 hectares de vinha própria e mais 67 à volta, a carrear uvas para a produção de 1 milhão de garrafas, com 40% delas para exportação. A singularidade da adega deve-se à criatividade do arquiteto Siza Vieira.
Visitámos o espaço onde se armazenam as pipas, com paredes grossas e dois grandes tubos de ar frio a arrefecer permanentemente todo este interior. Por cima, vimos todo o teto em relva e um espelho de água, importantes para a climatização da adega.
Passámos ainda pelo enchimento das garrafas e seu empacotamento, levando-nos a simpática guia depois para a prova de vinhos branco e tinto. Realmente, o sabor era bem agradável… Outros produtos ali se confecionam, como espumantes e licores, graças ao trabalho hábil dos enólogos, que fazem maravilhas na mistura das várias castas que ali florescem.
Na loja, pudemos comprar uma panóplia de produtos, pois a criatividade comercial é muito importante para o sucesso deste empreendimento.

AH


Visita à Adega Mayor

Category : Visitas

Foi ontem, 28 de março, que, na programação da Cesviver, nos dirigimos a Campo Maior para uma visita à Adega Mayor e aos Cafés Delta, empreendimentos do conhecido empresário Rui Nabeiro, que há muito dá emprego a muita gente da zona.
Autocarro lotado, tempo de primavera, campos verdes do Alentejo a encher os olhos, olaias floridas a bater palmas avermelhadas de Elvas a Campo Maior, gente bem-disposta e amiga, que mais queríamos para termos um dia de sucesso? Ainda por cima, a viagem da manhã foi acompanhada pela Srª. Reitora da Unisseixal, prof.ª Mariana Mareco, que nos deu uma rica lição sobre as características ambientais, geológicas e históricas das paisagens que se observavam ao longo da viagem.
De manhã, visitámos a adega, uma obra de arte de linhas retas e estrutura simples em cima de um monte, de onde se espraiam os 20 hectares de vinha própria e mais 67 à volta, a carrear uvas para a produção de 1 milhão de garrafas, com 40% delas para exportação. A singularidade da adega deve-se à criatividade do arquiteto Siza Vieira.
Visitámos o espaço onde se armazenam as pipas, com paredes grossas e dois grandes tubos de ar frio a arrefecer permanentemente todo este interior. Por cima, vimos todo o teto em relva e um espelho de água, importantes para a climatização da adega.
Passámos ainda pelo enchimento das garrafas e seu empacotamento, levando-nos a simpática guia depois para a prova de vinhos branco e tinto. Realmente, o sabor era bem agradável… Outros produtos ali se confecionam, como espumantes e licores, graças ao trabalho hábil dos enólogos, que fazem maravilhas na mistura das várias castas que ali florescem.
Na loja, pudemos comprar uma panóplia de produtos, pois a criatividade comercial é muito importante para o sucesso deste empreendimento.

AH