Monthly Archives: Novembro 2020


O Poder das Palavras

Categoria :Bem Estar e Saúde

Saúde e Bem Estar

A Prof.ª Augusta Rodrigues esteve nas “Tardes da CESVIVER” nos dias 24 e 26 de novembro para falar do poder das palavras, tema integrado no seu projeto de vida “Entre Nós Aqui … e Agora.”

Após cumprimentar os presentes fez uma breve apresentação do seu papel na criação da CES. Recordou o assunto tratado no ano anterior, “O Poder dos Pensamentos” e assim fez a ligação ao tema do dia.

Convidou os participantes da sessão para efetuarem um exercício, a fim de tomarem consciência da sua respiração, durante alguns minutos. Pediu para se sentarem numa postura corporal correta, de olhos fechados e inspirassem e expirassem conscientemente, deixando ir qualquer pensamento e voltando a focar a sua atenção na respiração.

Após terem terminado o exercício questionou sobre o mesmo (como se sentiam antes e depois) e sugeriu que o repetissem em casa, sempre que se sentissem menos calmos, pois traria benefícios para a sua saúde e bem-estar.

Fechou a sessão com a frase “Respirar é o primeiro e o último ato de vida.”, de Joseph .

Passou a apresentar imagens, com palavras diversas, em significado e estilo gráfico, para assim entrar no tema do dia. Referiu-se ao peso que as palavras tomam consoante o tom da voz e o momento em relação a quem são dirigidas e para nós próprios. Por isso tem de se ter muito cuidado e ponderar antes responder a fim de evitar maus juízos e más atitudes pois não sabemos as suas consequências. Lembrou que se tem uma ferramenta bastante útil que é “respirar” antes de falar.

A assistência participou escolhendo, cada um, a palavra que mais significado tinha para si, de entre as muitas que iam aparecendo em diferentes esquemas, para de seguida serem analisadas.

A sessão terminou com a oferta, pela nossa convidada, de um coração onde se podiam ler palavras carregadas de positivismo

Obrigada querida amiga Prof.ª Augusta pela sua colaboração, estou certa de que foi do agrado dos presentes.

Rosa Maria Duarte

Sessões dos dias 24 e 26 de Novembro


Arte Contemporânea

Categoria :Artes

STREET ART - «UM OUTRO OLHAR SOBRE LISBOA»

A terminar uma sequência de sessões dedicadas à Arte Urbana onde se privilegiou a divulgação de muitos artistas portugueses e respectivas obras, hoje dedicámos a sessão a “viajar” por Lisboa, já que a nossa capital é considerada internacionalmente como «uma galeria de Arte a céu aberto», não só pelas belas pinturas de Arte Urbana que embelezam a cidade, como pelas lindas fachadas de azulejos dos prédios, assim como os maravilhosos painéis de azulejos, quer nas estações do Metro, quer na própria cidade e, como é evidente, os magníficos trabalhos  da «calçada portuguesa» um pouco por toda a capital.

Foram inúmeras as imagens de Arte Urbana projetadas, patentes em todos os bairros lisboetas e cujas obras plásticas, das mais antigas às recentes, quer de artistas nacionais como internacionais, são prestigiadas pelo seu enorme valor cultural, intelectual, artístico e social.

A Profª. Lourdes Mano teve ainda a preocupação de mostrar muitas obras já desaparecidas devido à renovação urbanística e cujos registos fotográficos ou em vídeo nos revelam grande sensibilidade artística e estética.

Artistas como Vhils, Bordalo II e AkaCorleone, cujas obras de reconhecido mérito se encontram um pouco por todo o mundo, têm em Lisboa vários exemplares.

Destaca-se aqui a mais recente obra de AKA RAF - Rui Alexandre Ferreira - artista que desenvolveu a “peça” que fica na “Alta de Lisboa”, na freguesia do Lumiar  e foi batizada de «Talude». AKA RAF pintou uma enorme extensão de betão com cores vivas, formas e texturas diversas e com efeitos a 3D. O projeto abrange uma área de 2.600 metros quadrados.

No âmbito das obras já desaparecidas, a Profª. recordou-nos mais uma vez a bela pintura executada pelos artistas lisboetas Ayer, Nomen, Nark e Pariz, num edifício já destruído e situado junto à Fundação José Saramago, obra esta inspirada no documentário «José e Pilar», filme do jovem Miguel Gonçalves Mendes estreado em Novembro de 2010.

Com esta nossa “viajem” pelo magnífico roteiro de Street Art Lisboeta, a Profª. Lourdes Mano apresentou as suas despedidas como colaboradora assídua da CESVIVER nestes dois últimos anos letivos e agradeceu a todos os participantes a forma sempre carinhosa, gentil e atenta com que foi distinguida, além do enorme  interesse, motivação e prazer demonstrados pelas temáticas dinamizadas em todas as sessões.

As despedidas terminaram com votos mútuos de muita saúde e continuação de dias felizes, além do desejo das maiores felicidades, quer  para a Profª. Rosa Duarte e sua equipa da Direcção/apoio, assim como para este mui nobre projecto de solidariedade que é a CESVIVER.

MLMR

CESVIVER – Dias 17 e 19 de Nov. 2020

Arte Contemporânea

Um Outro Olhar sobre Lisboa

Agradecimento

Na passada quinta-feira, dia 19/11/2020, antes de se dar início à atividade dessa tarde, a CESVIVER-CES surpreendeu a nossa querida amiga prof.ª Maria de Lourdes Mano para lhe fazer um agradecimento que apesar de muito simples, devido à situação de afastamento social, foi imerso em gratidão e carinho. A professora estará temporariamente afastada como orientadora de sessões.

O Presidente da Casa do Educador do Concelho do Seixal-CES, prof. Jaime Ribeiro esteve presente e dirigiu palavras de apreço e agradecimento. Elogiou o trabalho desenvolvido voluntariamente no âmbito cultural, social e até de saúde, uma vez que transmitia conhecimentos, ocupava a mente de quem nos procura e ajudava a serem mais saudáveis.

Desejou muitas felicidades e saúde. Terminou dizendo que a CESVIVER continuava à sua espera.

Por sua vez a prof.ª Maria de Lourdes Mano agradeceu as palavras que lhe foram dirigidas e expressou votos de continuação de bom trabalho a toda a equipa e voluntários da CESVIVER, referindo-se a cada um dos presentes em particular. Agradeceu às senhoras utentes que sempre a escutaram com atenção e lhe proporcionaram momentos de bem-estar.

Passo, em largos traços, a apresentar alguns apontamentos sobre a atividade dinamizada pela amiga prof.ª Maria de Lourdes Mano, neste projeto.

Já é longo o seu envolvimento nas atividades intituladas “Tardes de Terça-feira na CESVIVER”.

Em momentos ocasionais com temáticas esporádicas, ou na preparação de exposições de início ou final de ano ou ainda nas visitas de estudo mas foi em duas áreas que desenvolver a sua maior atividade:

- “Um Livro, Uma Companhia” – Foi neste projeto que mais marcou os presentes. Orientou uma sessão em novembro de 2014 e outra em fevereiro de 2015 sobre Sophia de Mello Breyner Andresen; Em dezembro de 2016 orientou uma sessão sobre um dos livros de Sophia e recordou o Centenário do Nascimento de Júlio Resende; Em 2017 aceitou o convite para orientar anualmente as sessões deste projeto, que é apoiado pela Ação Social da Câmara Municipal do Seixal, começando em outubro de 2018, com uma programação bimensal; Deu a conhecer ou recordou muitos escritores portugueses – José Saramago, Agustina Bessa Luís, Maria Teresa Horta, Nuno Júdice entre muitos outros.  Referiu as suas obras e proporcionou a leitura de pequenos extratos de algumas delas.

- “Artes” – A sua participação nesta área começou em outubro de 2015 quando se trabalhava o tema “Construir para recordar”; em maio de 2018 referiu-se ao “Projeto SOS Azulejo” e em outubro desse mesmo ano começa a orientar sessões ao nível das Artes. Sempre atualizada em relação aos acontecimentos, ia dando a saber a obra e vida de grandes figuras das artes plásticas nacionais e estrangeiras.

Bem-haja querida amiga Maria de Lourdes Mano.

Votos de muitas Felicidades e até breve.

Rosa Maria Duarte

Sessão de apresentação

Lisbon Stories - Rota Arte Urbana


O barroco musical em Portugal

Categoria :Artes , Memórias

Primeira metade do século XVIII  

Esta semana, nas tardes do projeto CESVIVER, dias 10 e 12 de novembro, foi nossa convidada a musicóloga, profª Zuelma Chaves, que dinamizou as sessões  referindo-se a uma das épocas da História da Música em Portugal.

Começou por pedir, à assistência, que se recordasse do tema da semana anterior, orientada pela prof.ª Maria de Lourdes Mano, e fez uma “passagem”, com recurso à imagem, pelo Convento de Mafra e Basílica Real.

Lembrou um pouco da História de Portugal no reinado de D. João IV (século XVII) para mencionar os seguintes antecedentes históricos-musicais:

- A Escola da Sé de Évora

- O Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra

- O Paço Ducal de Vila Viçosa - Importante monumento português situado no Terreiro do Paço de Vila Viçosa, no distrito de Évora. Este complexo patrimonial é constituído pelo Paço Ducal, Castelo e igrejas dos Agostinhos e das Chagas pertencente à Fundação da Casa de Bragança.

Quanto ao tema do dia, a música em Portugal na primeira metade do século XVIII, começou por situar os presentes nas vivências do reinado de D. João V referindo: suas origens familiares; relação com a igreja; ligação à música: a música da Corte Joanina; a importância da música sacra; os instrumentos musicais que se podem encontrar e sua relação igreja/aristocracia/povo.

João V fascinado com o movimento barroco contrata o compositor e professor Domenico Scarlatti para o ensino da música aos infantes.

Estando Portugal a viver um período de muita riqueza devido à chegada das primeiras remessas de ouro do Brasil, o rei ambicionou para o país o que de melhor havia em relação à cultura. Neste sentido verificam-se influências vindas, por um lado, de Itália, não só pela adoção dos modelos litúrgico-musicais do Vaticano que viria a traduzir-se na importação de músicos e livros e no envio de bolseiros para Roma, e por outro lado a influência do modelo absolutista ditado por Luís XIV, em França.

Referindo-se a Mafra falou dos seis órgãos e dos dois carrilhões: a razão por que foram adquiridos e ali instalados; o seu funcionamento; e o respetivo reportório musical.

No domínio da música sacra mencionou a criação da Escola de Cantochão em 1729 em Santa Catarina de Ribamar e a referência a esta escola feita por Frei João de São José do Prado no Cerimonial da Arrábida de 1752.

No que concerne a testemunhos escritos da música desta época em Portugal mencionou o facto de muitos deles se terem perdido com o terramoto de 1755.

Fez uma breve alusão à ópera na corte e nos teatros públicos, seu público alvo e tipologias.

Deu a conhecer alguns dos principais vultos da música neste século:  Carlos Seixas, António Teixeira, Francisco António de Almeida e Domenico Scarlatti, apresentando imagens ilustrativas e proporcionando a audição de curtas passagens musicais.

Agradeço à prof.ª Zuelma Chaves a sua disponibilidade por oferecer aos utentes/aderentes de CESVIVER uma “viagem” musical pelo Século XVIII, tão cativante no modo como a transmitiu e documentou.

Rosa Maria Duarte

Álbum de fotografias Cesviver

Carrilhão-Torre Sul-Palácio Nacional de Mafra

História do Carrilhão-Torre Sul

Os Seis Órgãos da Basílica de Mafra

Fundação da Casa de Bragança


Recordar José Saramago

Um outro olhar sobre o livro: “Memorial do Convento”

Realizou-se a última sessão programada para o ano letivo 2019/2020, pois como é de vosso conhecimento o fecho das atividades obrigou-nos a parar com toda a programação, mas foi vontade nossa cumpri-la a devido tempo.

Esteve connosco, como convidada, a professora Maria de Lourdes Mano que iniciou a sessão dando a saber uma notícia do dia: O Ministério da Cultura vai atribuir a Medalha de Mérito Cultural a Maria Teresa Horta pela sua carreira enquanto escritora e jornalista. Devido ao estado de pandemia o prémio só será entregue em 2021. Esta escritora, neste projeto, foi alvo de breve estudo nos dias 13 e 15 de outubro 2020.

Deu continuidade à sessão, pegando no tema do dia. Passo a transcrever o documento da professora Maria de Lourdes Mano onde nos relata como decorreu a sessão:

«UM LIVRO, UMA COMPANHIA»

RECORDAR JOSÉ SARAMAGO

(«Uma década de saudade, mas não de ausência» sublinha a Fundação José Saramago)

Nestes dez anos da sua ausência física entre nós, a Fundação JOSÉ SARAMAGO continua a trabalhar de acordo com o Projeto que foi estabelecido pelo escritor para a criação da Fundação:

  - «Sermos facilitadores da difusão cultural, insistir na Declaração dos Direitos Humanos e dos Deveres Humanos e cuidar do legado humanista que nos foi entregue».

De igual modo, ao recordarmos esta efeméride e José Saramago, com o objetivo de prepararmos a Visita de Estudo da CESVIVER à Real Basílica do Palácio Nacional de Mafra e ao Jardim do Cerco, a Profª. Lourdes Mano dinamizou a sessão desta tarde abordando em traços gerais o livro «Memorial do Convento».

Como sabemos, o romance é longo e rico em personagens e factos históricos que têm o condão de nos fascinar, da primeira à última página, tal como José Saramago é exímio a fazer.

“Viajámos” pela História de Portugal, num período aproximado de 30 anos, na época da Inquisição, também conhecida como «Tribunal do Santo Ofício».

O romance articula factos verídicos da História, no século XVIII, durante o reinado de D. João V, nomeadamente os Autos-de-Fé da Inquisição, a Procissão de Penitentes, o casamento dos Infantes, com factos ficcionados, como, por exemplo, os milhares de trabalhadores na construção do Convento, sempre esquecidos noutros romances mas, aqui, José Saramago valoriza-os e eleva-os à categoria de um “herói coletivo”.

José Saramago também não esqueceu a vertente do “fantástico” como, a construção da Passarola, sonho do padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão, ajudado por Blimunda e Baltasar, personagens estas ficcionais do romance.

 Todas as personagens deste romance encantam-nos pela coragem e bravura, mas principalmente pelo que são de humanas, inquietas e capazes de «ir ao encontro do seu verdadeiro destino».

Assim, o escritor apresenta-nos o Manuel Milho como um exímio contador de histórias, ele que era um mero trabalhador na construção do Convento de Mafra e muito amigo de Baltasar «Sete-Sóis». À volta de uma fogueira, antes de dormir, sentavam-se os amigos - o povo anónimo que construiu o Convento - para ouvir as histórias contadas por Manuel Milho, deixando o melhor sempre para o dia seguinte, acirrando a curiosidade e o entusiasmo dos ouvintes.

 Após a projeção de muitas imagens sobre esta obra literária e respectivos comentários, procedeu-se à leitura de pequenos extratos do romance, até para nos introduzir na projeção de outras imagens, agora sobre a magnitude deste monumento, onde a Basílica e o Jardim do Cerco foram o nosso foco para a Visita de Estudo.

A sessão foi concluída e, como é hábito, ainda houve oportunidade para as habituais e tão desejadas conversas prazerosas, seguindo-se as despedidas afetuosas.

MLMR

Nota: Por motivos relacionados com o momento crítico que vivemos atualmente, a Visita de Estudo à Basílica e Jardim do Cerco, projetada para este mês, não se realizará.”

Cabe-me agradecer à querida amiga professora Maria de Lourdes Mano a mareira como tem abraçado este projeto da CES, o modo como nos transmite os conteúdos e como promove a cultura.

Agradeço também a quem todas as semanas dá o seu apoio à CESVIVER e a quem nos procura para ter uma tarde diferente.

Rosa Maria Duarte

“CESVIVER – DIAS 3 E 5 DE NOV. 2020

RECORDAR JOSÉ SARAMAGO